Site Notícias Jornal Gazeta de vargem Grande Paulista

Segunda-feira, 17 de Junho de 2024

Vargem Grande Paulista

Controvérsia em Vargem Grande Paulista: Prefeito Josué Investe em Tarifa Zero, mas Saúde e Segurança Ficam em Segundo Plano

Controvérsia em Vargem Grande Paulista: Prefeito Josué Investe em Tarifa Zero, mas Saúde e Segurança Ficam em Segundo Plano

Jornal Gazeta
Por Jornal Gazeta
Controvérsia em Vargem Grande Paulista: Prefeito Josué Investe em Tarifa Zero, mas Saúde e Segurança Ficam em Segundo Plano
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Neste sábado, o prefeito Josué Ramos surpreendeu a população de Vargem Grande Paulista com o anúncio do ambicioso programa Tarifa Zero, um investimento estimado em nada menos que R$ 72 milhões. Enquanto isso, preocupações emergem quanto à negligência com áreas cruciais como saúde e segurança.

O contrato exorbitante, numerado como 07/2024 no processo licitatório 150/2023, firmado entre a prefeitura local e a empresa Logitec - Gerenciamento de Projetos e Serviços Ltda, sediada em São Bernardo do Campo, prevê a aquisição de 14 ônibus semi novos para circulação na cidade.

Essa revelação deixou os moradores em estado de indignação, com muitos questionando a prioridade dada a esse projeto diante das crescentes demandas por investimentos na saúde e na segurança. A dificuldade em marcar consultas e exames médicos é uma realidade enfrentada pela população, com relatos até mesmo de escassez de profissionais da saúde.

Leia Também:

Para Dona Helena, residente do Portão Vermelho, o gasto é excessivo: "O prefeito deveria direcionar mais recursos para a saúde em vez de investir em ônibus elétricos. Nossa cidade é simples, não necessita de luxos. Apenas um transporte digno seria suficiente", argumentou.
Já João Costa, morador do Tijuco Preto, enfatizou a necessidade urgente de médicos em detrimento dos ônibus elétricos: "Isso é pura ostentação do governo. Nossa população merece respeito, saúde e segurança, não jogadas políticas", desabafou.

A ausência de medidas efetivas para conter a crescente insegurança na cidade também está gerando grande preocupação. Apesar da presença da Polícia Militar na região do km 40, uma série de assaltos e roubos continua assolando a população, deixando-a insegura.

Wagner Martins, comerciante local que já foi vítima de assaltos repetidas vezes, lamenta a alocação de recursos: "O prefeito Josué prefere investir em ônibus elétricos em vez de fortalecer o comércio e garantir a segurança. Nossa cidade precisa de ações concretas, não de iniciativas superficiais que só prejudicam".

Enquanto o prefeito Josué aposta na imagem positiva que os ônibus elétricos podem trazer, visando alavancar a popularidade de sua sucessora, Larissa, a qual enfrenta grande rejeição devido à administração atual, ele se encontra em um impasse com a Justiça.

A decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinando a suspensão do edital e contrato com a empresa Logitec Gerenciamento de Projetos, foi desconsiderada pelo prefeitoo que levanta questionamentos sobre possíveis manipulações no processo licitatório em favor da empresa vencedora.

Enquanto a cidade se debate com essas questões, as respostas continuam escassas. Será que interesses políticos obscureceram o processo? Por que a empresa Viação Campinense Ltda foi desqualificada após contestar o edital, levantando suspeitas de irregularidades? A população aguarda por respostas enquanto enfrenta as consequências de decisões questionáveis por parte da administração municipal.

FONTE/CRÉDITOS: jornalimpactocotia.com.br
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!